quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

O Menino, a Toupeira, a Raposa e o Cavalo. E se um livro por dia fôr uma vacina contra a pandemia?

13. O Menino, a Toupeira, a Raposa e o Cavalo | Charlie Mackesy | Suma de Letras

Antes de chegar a Portugal, já lhe conhecíamos a fama de apaixonar milhares de leitores de todas as idades. Quando, finalmente, o tocamos e abrimos, não conseguimos deixar de pensar que entendemos o porquê. É um daqueles  livros. Único. Singular. Para ler e reler. Muitas vezes. Para retornar vezes sem conta. Traz-nos à memória Winnie the Pooh. De certo modo, também O Principezinho. Mas a única certeza que nos deixa é que viverá em cima da nossa mesa de cabeceira por muito tempo.

Não é um típico álbum ilustrado, mas nasceu de uma ilustração partilhada entre o autor e os seus seguidores nas redes sociais, num momento em que perdera um amigo. Não é uma típica narrativa de acontecimentos, mas fala de amor, de amizade, de esperança, de bondade, de coragem.


Nas palavras do seu autor, o britânico Charlie Mackesy, é  uma pequena novela gráfica, feita de ilustrações e diálogos, com uma paisagem em fundo". Para nós, leitores, é o retrato de um mundo onde todos queremos viver. É nele que se encontram um menino curioso que quer chegar a casa, uma toupeira gulosa, uma raposa silenciosa e um cavalo sábio. Quatro amigos improváveis? Não, aqui é um lugar onde o improvável não existe. Os laços fortalecem-se e os quatro encetam uma inesquecível viagem, deambulando pelos caminhos da vida. E contemplando a natureza selvagem, que é assim um pouco como a vida - assustadora, por vezes, mas bela. São todos diferentes, mas  cada um pode bem ser uma parte de nós.


As aventuras destes amigos acontecem na Primavera, quando, num momento, a neve cai e, a seguir, o sol brilha, o que se parece um pouco com a vida : é capaz de dar uma reviravolta num abrir e fechar de olhos.
Os diálogos são curtos, mas deleitam leitores de todas as idades.  Giram em torno do sentido da vida. Das grandes questões que, tantas vezes, nos assolam. São sobre cada um de nós. As nossas qualidades, as nossas imperfeições. Refletem os medos, as inseguranças, as interrogações de cada um dos quatro amigos. Espelham as respostas que o amor crescente entre todos lhes vai dando.





- "O que queres ser quando cresceres?"
- " Bondoso", disse o menino.
- "Para ti, o que é o sucesso?" perguntou o menino.
- "Amar", disse a toupeira.
-"Qual foi a coisa mais corajosa que alguma vez disseste?", perguntou o menino.
- "Socorro", disse o cavalo.







































As imagens, com traço de menino, são  desconcertantemente belas. Para quem, como nós, é amante incondicional de Winnie the Pooh, é impossível não nos lembrarmos das ilustrações de E.H.Shepard.  Mackesy refere que os diálogos são inspirados em conversas que foi mantendo com alguns dos seus amigos. Talvez essa seja a razão para nos tocarem tão profundamente. Muito se poderia dizer deste livro poético, sensível e delicado. Mas, na verdade, ele não é  descrítivel. É necessário tê-lo nas mãos. Para o ler. Para o contemplar.







































A nossa sugestão é que conheçam de perto esse menino curioso que precisa ser amado, a toupeira gulosa mas bem corajosa, a raposa cautelosa porque a vida a magoou e  o sábio cavalo. Tão sábio  que sabe voar. Mas não voa porque os outros cavalos ficam com inveja. 
Abram as asas e comecem a voar. Passeiem-se com as crianças por aqui. Ou sozinhos. Façam amigos e sonhem. Este é um lugar de todos os sonhos.


Hipopómatos em Festa! A nossa Casa nasceu há 5 anos

Há 5 anos, nascia a Casa dos Hipopómatos. Este fim de semana, queremos celebrar com vocês. Estaremos abertos sábado e domingo, das 10:00 às 19:00H. Com muitas surpresas, iguarias e preços de aniversário. Festejamos em segurança. O aquecedor de rua vai animar a festa ao ar livre. Distanciados, mas juntos, o bolo de aniversário espera por vocês às 17:00. Sábado e domingo. E nós esperamos pelo vosso carinho.  

Ilustração de Catarina Correia Marques.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

Bom Fim de Semana

Freya Blackwood


It isn't Rude to be Nude. E se um livro por dia fôr uma vacina contra a pandemia?


 12. It isn't Rude to be Nude | Rosie Haine | Tate

A nossa sugestão de hoje é um livro que ainda não chegou a Portugal, mas que muito gostaríamos de ver por cá! O selo aposto na capa não deixa margem para dúvidas: Contains nakedness - and that's ok.

A capa do livro, sem necessidade de qualquer imagem, vale por si. Quando o abrimos, sabemos de imediato que este é um lugar onde se celebra a nudez, a diferença, a beleza. Um desfile de maravilhosos desenhos de corpos. De todas as formas e tamanhos. De todas as cores e idades.

Com uma inesperada simplicidade, o livro surge como uma espécie de manual de corpos humanos onde parecemos estar todos retratados. Todos iguais, todos diferentes. 

De diversas formas, Haine diz-nos que todos os corpos são bonitos, independentemente do seu aspecto. Que interessa a idade, o peso, a forma? Será sempre o teu corpo.















O envelhecimento é inevitável. Os sinais começam a aparecer. Algumas coisas mudam mais rapidamente do que outras. Mas há as que nunca mudam. Afinal, todos temos rabo e mamilos.  A nudez nunca será feia.















Esta é uma deliciosa abordagem de uma temática tantas vezes ocultada às crianças. Este é o lugar certo para entrar de mãos dadas com elas,  deixem as roupas e as ideias pré-concebidas à porta. Aqui, facilmente, nos encontramos. Elas identificarão amigos, pais, avós... numa celebração do respeito pelas diferença. 
















No seu álbum estreia, Haine deslumbra leitores de todas as idades. Os desenhos com que nos brinda são intensos, simples, belos, verdadeiros. Como é a própria nudez. 

quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

Pokko e o Tambor. E se um livro por dia fôr uma vacina contra a pandemia?

 11. Pokko e o Tambor | Matthew Forsythe | Orfeu Negro

Nem sempre é fácil os pais reconhecerem os seus erros, mas esse não é, definitivamente, o caso dos pais da Pokko. Esta é uma simpática família de rãs que vive num cogumelo de fazer inveja a qualquer um. Compreensivelmente, o que menos precisam é de chamar a atenção de terceiros. Mas quando há filhos em casa é preciso entretê-los e a Pokko não é excepção. A verdade é que nem sempre se acerta e a oferta de um tambor à pequena não terá sido a decisão mais sensata. As coisas não tinham corrido bem anteriormente quando tinham cedido com a  fisga, o lama, o balão... mas nada que se comparasse ao tambor! Pokko tamborilava dia e noite, a torto e a direito. Desta feita, o pai não tinha dúvidas. Este era o maior erro de todos. A mãe não se mostrava tão segura, mas todos sabemos que  quando se lê avidamente um livro nem sempre somos os melhores ouvintes do que se passa lá fora... 

Esta é uma história divertida e hilariante, não sendo necessário avançar muitas páginas para que pequenos e grandes leitores criem uma forte empatia com a família. Pouco tradicional, acrescente-se.  O pai é rei na cozinha e o resto da casa também aparenta ser ser por sua conta,  já que à mãe não parece sobrar muito tempo da sua actividade de leitora compulsiva. 

Depois de uma conversa com o pai, a pequena Pokko revela-se compreensiva  sobre a necessidade de  se afastar um pouco de casa. Acaba por se embrenhar na silenciosa floresta, onde tamborilar é quase imperioso para não se sentir sozinha. Subitamente, Pokko tem atrás de si uma banda e uma multidão que só quer celebrar e festejar a vida.  A pequena rã revela-se uma chefe da banda de grande gabarito. Não só pelos dotes artísticos mas também pela maturidade e 
coragem com que impõe a sua liderança. Porque foi ela que pôs o lobo em sentido! Ali na floresta, num momento difícil da história em que o lobo decide comer o coelho, Pokko enfrenta-o sem hesitações : Comes mais alguém e sais da banda!

As ilustrações de Forsythe seduzem os leitores do princípio ao fim do livro. A paleta de cores, a maravilhosa representação dos espaços interiores onde apetece morar, a floresta onde queremos entrar... são detalhes que tornam a história num verdadeiro colírio para os olhos.  Uma história em que não chegamos ao fim sem nos lembrarmos de Jon Klassen e do seu Este Chapéu Não é Meu. Não só pelo momento de reviravolta em que o lobo come o coelho mas também pelas semelhanças de cenário em que o mesmo ocorre.

Vão até lá e descubram como acaba o passeio da Pokko pela floresta! Ela bem merece que apreciem a sua arte. Até o pai já se rendeu. A mãe? Só mesmo vendo! 
Em tempos de pandemia, bem precisamos de música e alegria. Levem as crianças e juntem-se à festa! 
Por tudo isto, hoje não podemos deixar de sugerir que este Natal ofereçam Livros e Tambores!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Sayid Manuel. E se um livro por dia fôr uma vacina contra a pandemia?

10. Sayid Manuel | Catarina Gomes | Trinta Por Uma Linha

Sayid é um gato com 15 anos de idade, muitos quilos e várias manchas brancas, ainda que tenha nascido todo preto. A dona, a ilustradora Catarina Gomes, achou que a sua vida dava um livro e o bichano não parece ter-se feito rogado. Em jeito de biografia ilustrada, Sayid Manuel conta-nos a longa e recheada vida de bichano no seio da família que o escolheu. Uma história cheia de humor, onde as imagens predominam e em que, facilmente, reconhecemos o estilo da autora das Ideias Despenteadas. O livro encantará, certamente, todos os amantes de gatos, mas não só. Desde que habita por aqui que é bem manuseado pelas mãos dos mais pequenos que não resistem a pronunciar vezes sem conta o nome do felino. 

O relato de vida remonta ao dia em que se conheceram e a dona formulou um sem número de perguntas e outras tantas dúvidas na loja dos animais. Sayid recorda a viagem até casa, a chegada e as dificuldades iniciais da adaptação. 

Dois meses volvidos, já se tornara o rei da casa e dominava o território como as palmas das suas patas. O diospireiro para lanchar, o muro para se exibir, o matagal onde se podia esconder, os telhados onde cuscava o mundo... o novo habitat deixara de ter segredos. A vida corria bem ao gato também chamado de Pata Lenta, Pança Mansa, Lord Nelson e muitos outros nomes que a imaginação da dona lhe atribuía amiúde. Dono de certo peso, o lorde gostará de poucas coisas na vida como de comida. A prová-lo está a pergunta frequentemente feita aos donos : A gata está prenha? 

Mas, a vida (ou vidas) de Lord Nelson não se resume aos pitéus. Nem poderá dizer-se que tenha sido sempre um mar de peixes... As espinhas, ou melhor, os espinhos, também fazem parte. Para trás, fica o dia em que mudaram de casa. O dia em que, certamente, terá experimentado as mais sérias dificuldades em conhecer a mente dos humanos. Uma nova casa? Sem quintal? Sem diospireiro? Sem aventura? Sem a Bonita, a gata da D. Belmira? Os donos, sempre atentos e preocupados, bem tentaram compensá-lo com algumas mordomias e luxos, mas Sayid Manuel recusou sempre trocar a sua liberdade por essa vida aburguesada... stress foi tanto (opinião avalizada do veterinário) que no seu pelo preto começaram a aparecer as manchas brancas que ainda hoje o tornam diferente. As mudanças não se ficariam por  aqui, recordando bem o dia em que viu chegar a Tartaruga Faustino, com quem passou a partilhar o espaço e as atenções. Não se iludam, o pior ainda estava para chegar. Uns meses mais tarde e sem perceber muito bem porquê, começou a ver o espaço no colo da dona a diminuir... Algum tempo depois, deixou de ser o rei da casa. Não foi fácil. Engordou, fiou deprimido, isolou-se, chamou a atenção das várias maneiras que conseguiu... Hoje, já se habituou. Partilha a casa nova e o amor de todos os que nela vivem, exibindo a sua longevidade, a sua pança mansa e as suas manchas brancas que já lhe granjearam a alcunha de The Special One.